22.4 C
São Paulo
segunda-feira, abril 12, 2021

A concentração de poder nas plataformas

Sergio Amadeu
Sociólogo e Cientista Político, professor da UFABC, membro do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br)

O WhatsApp anunciou que irá compartilhar informações dos seus usuários com o Instagram e com o Facebook. Como os conteúdos do mensageiro instantâneo são criptografados de ponta a ponta, o Facebook usufruirá principalmente dos metadados do WhatsApp, ou seja, dados sobre os dados da comunicação realizada no interior da plataforma. Assim, os números dos telefones de todos os usuários, a frequência com que se comunicam e interagem, os grupos que integram, a quantidade, a origem das mensagens que recebem, para quem enviam, entre outras informações, serão reunidas e tratadas com os milhares de dados que a rede social de Zuckerberg já possui de cada usuário.

A concentração de informações permitirá que o Facebook tenha maior poder de organizar públicos e amostras segmentadas para o marketing. A fonte de renda primordial do Facebook é a venda de espaços da atenção dos seus usuários para os anunciantes de suas redes de publicidade e mídia programática. Um dos seus objetivos primordiais é aumentar a efetividade da modulação de comportamentos que passa por enviar o anúncio certo na hora certa para quem poderá ser mais afetado por certa mensagem publicitária. A plataforma realiza o encurtamento da realidade para que seus usuários visualizem as opções ofertadas por quem impulsionou um determinado conteúdo. Com o agrupamento de dados das três empresas do grupo Facebook, ele também aumentará o poder de análise de seus sistemas algorítmicos, que necessitam de muitos dados para aprimorar suas habilidades ou técnicas de predição, ou seja, de tentar prever nossas necessidades, gostos e interesses.

Plataformas e Economia da Atenção

A economia da atenção foi dominada pelas plataformas. Essas corporações se colocam como  mediadoras das interações online, sejam voltadas para o entretenimento, sejam voltadas para o trabalho. Durante a pandemia, as plataformas buscaram se tornar também indispensáveis para a Educação. Sua lógica é obter o máximo de dados pessoais de todas interações de uma atividade ou mercado. Assim, se colocam em condições de manipular tanto a oferta quanto a procura de informações, produtos e serviços.

O modelo de negócios das plataformas é baseado na coleta e tratamento de grande quantidade e variedade de dados. No mundo do trabalho as plataformas aprofundaram a precarização do trabalho. a concentração econômica em quem tem mais capacidade de oferecer interfaces gratuitas com grande velocidade de resposta computacional, o que exige uma gigantesca infraestrutura de armazenamento (data centers) e uma colossal força de processamento.

Grandes corporações de tecnologia colonizando a vida

As grandes corporações de tecnologia embaladas pelo neoliberalismo conduziram o desenvolvimento tecnológico para a completa dependência de dados, pessoais e maquínicos. Elas estão colonizando a vida e convertendo todos os seus fluxos de existência em dados. Suas principais tecnologias estão sendo orientadas para a dependência de dados. Dados são naturalizados e assim, amplia-se a alienação tecnológica, uma das expressões contemporâneas da alienação social. Todavia, dados para existir dependem de projetos de criação do que seria um dado e de como obtê-los. Dados não são obras da natureza, são criações da sociedade e de seus agentes.

O que as plataformas conseguem armazenando e analisando dados pessoais pode ser melhor compreendido observando o seus sucesso econômico. O faturamento (a receita ou o ganho bruto) de apenas dois grupos proprietários das principais plataformas, o Alphabet (dono do Google, Youtube, Waze, etc) e o Facebook (dono da rede social, do WhatsApp e Instagram, etc) atingiu em 2019 a fabulosa quantia de $ 232,5 bilhões de dólares. Ao compararmos esse montante com a economia de diversos países temos a dimensão do poder econômico das Big Techs, dificilmente atingidos por empresas em outros momentos históricos. Google somado ao Facebook teve uma entrada de recursos em 2019 equivalente a 52,2% do PIB da Argentina, 71,8% do PIB da Colômbia, 82,3% do PIB do Chile,  97,3% do PIB de Portugal, 2 vezes do PIB do Equador, 4 vezes o do Uruguai e 5 vezes o da Bolívia.

Poder comunicacional das plataformas

Preocupa igualmente o poder comunicacional dessas plataformas. Em 2019, segundo a consultoria Statista, o número de usuários do Facebook ultrapassou a casa dos 2,5 bilhões. O Instagram atingiu a marca do 1 bilhão e o Youtube superou 2 bilhões de usuários, com 1 bilhão de horas de vídeos vistos diariamente em todo o mundo. O buscador do Google realizava, em 2016, as solicitações de 59.141 pesquisa por segundo, ou seja, em 5,1 bilhões de consultas em um único dia. Imagine o poder de análise sobre as expectativas, os humores e temores das diversas populações do mundo que o Google possui. Nenhum Estado ou agência de inteligência jamais chegou próximo a esse tipo de capacidade analítica.

A questão que se coloca, portanto, é como Estados nacionais historicamente subordinados e economicamente fragilizados podem construir um ordenamento democrático autônomo diante dessas plataformas que os transformam em colônias de dados e territórios de extração de informação para a formulação de perfis que serão expostos e ofertados para o Capital operar a  modulação dos afetos, desejos e comportamentos?

Deleuze ao escrever o brilhante, complexo e brevíssimo texto Post-Scriptum sobre as Sociedades de Controle foi clarividente ao afirmar que “o marketing é a agora o instrumento de controle social, e forma a raça impudente de nossos senhores”. É preciso discutir seriamente o papel desses novos Leviatãs para as democracias. Considero que essa fusão de poder econômico, poder comunicacional e poder de análise que foi obtido pelas plataformas fragiliza as democracias. Precisamos submeter essas Big Techs ao controle das sociedades democráticas. E logo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas

Animação que homenageia guardiões e guardiãs das águas será lançada hoje

Entre os dias 22 e 26 de março, a FASE realiza programação “Semana das Águas”, lança a animação O Que É Água? e comemora Dia...

Antropologia e comunidades Afro-Venezuelanas em pauta

Daniel Amaro recebe Yara Altez Hoje, às 20h, acontece  a conversa entre o professor, diretor de teatro e coreografo Daniel Amaro e a antropóloga uruguaia/venezuelana...

#18Fev- Salvador

Movimento Negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS   Hoje, dia 18 de fevereiro de 2021, a Coalização Negra...

Relatora especial da ONU cobra EUA a acabar com bloqueio da Venezuela

Alena Douhan também  instou os bancos do Reino Unido, Portugal e EUA a descongelar os ativos da Venezuela para adquirir medicamentos, vacinas, alimentos e...

Priscila

Quase dois anos separam o registro das duas fotos. A mais recente foi feita na manhã desta segunda de descarnaval em Brasília, no Jardim...